Circo dos Sonhos, de Marcos Frota, se apresenta até 7 de Junho em Pouso Alegre
Acessórios de Cabelos – As Tendências que estão em Alta
A Beleza da Vida em Livro – Marco Antônio de Biaggi
Santuário de Santa Rita de Cássia em Santa Rita do Sapucaí
Para quem ama, o tempo é eterno! Celebramos 20 Anos de Casamento

Morre o Ícone da Moda Karl Lagerfeld

Uma grande perda para o mundo da moda! Morre em Paris, aos 85 anos, o ícone da moda, o estilista alemão Karl lagerfeld! Karl era um gênio e sempre estimado por todos. Era considerado como uma pessoa gentil e muito generosa!

“‘Continuando a abraçar o presente e inventar o futuro”. Karl Lagerfeld

Karl era Designer de moda e diretor criativo da Chanel. Um dos designers mais talentosos e admirados na história da moda, Karl Lagerfeld trabalhou até seus últimos dias à frente da direção criativa da Chanel, da Fendi e da sua marca homônima.

 Karl era uma celebridade tão famosa quanto uma estrela do rock. A ponto de sua silhueta de perfil – cabelos longos em rabo de cavalo, óculos escuros, colarinho alto – ser tão reconhecível que virou logotipo da marca de moda que levava seu nome. Ele também era o designer por trás da grife italiana Fendi – desde 1965 – conhecida por suas peles, bolsas e acessórios caixa altíssimas.

Mas ele era, sobretudo, Chanel. Desde que assumiu a marca como diretor criativo, em 1983, Lagerfeld tirou o mofo e literalmente ressuscitou de maneira retumbante a maison fundada por Gabrielle “Coco” Chanel durante a I Guerra Mundial. O icônico, porém vetusto, tailleur de tweed inventado por Mademoiselle Chanel rejuvenesceu, passando a circular combinado com jeans ou até acompanhado por rebeldes camisetas de inspiração punk.

Resultado, a casa de propriedade da família Wertheimer tornou-se o fashion brand mais poderoso do planeta e hoje é o único atuando de maneira independente dos grandes conglomerados do mercado de luxo, como LVMH e Kering.

Conhecido como “kaiser”, devido à origem alemã  – alcunha que não gostava – Lagerfeld cultivava a imagem excêntrica con gusto vestindo-se invariavelmente de preto, com o cuidado de nunca remover as luvas (“para não sujar as mãos”, justificava) e raramente os óculos escuros (“enxergo mal sem eles, são lentes com grau, mas os tiro para conversar de perto com as pessoas”, explicava). Não deslizava para a caricatura graças à postura aristocrática, o ar levemente esnobe, evitando exageros e fazendo a piada antes que outrem lançasse mão: “Não misturo cores para não parecer uma arara”, declarava Karl.

Karl Lagerfeld nasceu em Hamburgo, Alemanha, em 10 de setembro 1933 ou 1935 – mais tarde assumiu a primeira data, alegando um erro de cartório provocado pela mãe. Filho de um empresário bem sucedido nos negócios – importador na Europa do leite em pó Glória – e uma mãe elegante, altiva e glacial, ambos na casa dos 40 e 50 anos, quando o estilista nasceu. Logo depois da II Guerra – período sobre o qual preferia não se manifestar: “A guerra foi um problema da geração de meus pais”, resumia – deixou a Alemanha definitivamente por Paris, afinal “eu falava e escrevia fluentemente alemão, inglês e francês desde os seis anos de idade”. E também seguindo o conselho materno: “Hamburgo é uma porta para o mundo, uma porta de saída”.

As suspeitas de que o designer alemão não estava bem surgiram durante a semana de moda de alta-costura, quando ele não compareceu ao desfile da Chanel pela primeira vez em 30 anos, preocupando os fashionistas.

Um dos designers mais admirados e talentosos da história da moda, Largerfeld trabalhou até seus últimos dias, dando orientações para o desfile de prêt-à-porter da Fendi, que acontece na quinta-feira (21.02) durante a semana de moda de Milão. A  grife italiana prestou homenagem a Karl via Instagram. “Obrigado pela jornada mais bonita. Com todo nosso amor, sua família Fendi.”

A deterioração do estado de saúde do estilista ficou em evidência durante os últimos desfiles, embora tenha sido precisamente no último, em janeiro, no qual muitos temeram pelo pior, quando deixou a saudação final de sua coleção de alta costura primavera-verão 2019 em mãos de Virginie, diretora de estúdio.

Ao contrário de outros designers, Karl Lagerfeld não tinha um arquivo das coleções que, ao longo dos anos, foi desenhando para a Chanel, Fendi e a sua própria marca.

Karl dizia: “Não guardo nada. Gosto de poder fazer algo – e não daquilo que já fiz”, referiu, em 2015, em entrevista ao jornal New York Times.

Em entrevista à Net-a-Porter revelou qual o segredo do seu sucesso. “Não há segredo. O único segredo é trabalho. E organização. E levar uma vida decente: não beber, não fumar, não consumir drogas.”

Descanse em Paz super Karl!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*